fbpx
FGTS obrigatório para domésticas já vale a partir de abril
21 de março de 2013
Perguntas e respostas sobre a PEC das Domésticas
21 de março de 2013
Mostrar Tudo

PEC das Domésticas provoca dúvidas

Nova lei que garante mais direitos às empregadas domésticas ainda precisa de muitas regulamentações

Esperada para começar a valer em uma semana, no dia 27 de março, depois que passar pela segunda votação no Senado e ser promulgada imediatamente, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que concede aos trabalhadores domésticos os mesmos direitos de qualquer trabalhador com carteira assinada, a PEC das Domésticas, gera muitas dúvidas de como será implementada na prática. A única novidade que começa a valer de imediato com a promulgação da lei é o cumprimento da jornada de 8 horas, segundo informou a assessoria da deputada Benedita da Silva, relatora do projeto na Câmara.

O restante das mudanças dependem de normatização do Ministério do Trabalho e outros agentes como a Caixa e INSS e isso, por enquanto, não tem previsão de ser regulamentado. “Tudo que depende da ação governamental precisa de uma regulação específica. O seguro desemprego, por exemplo. Vamos dizer que a empregada é demitida uma semana depois da lei passar a valer. Como ela vai sacar o FGTS e seguro-desemprego? Além do mais, é necessário ter um período mínimo de contribuição. Tudo isso tem uma fonte de custeio. O FGTS dá suporte ao seguro desemprego que só pode ser sacado quando o trabalhador saca o FGTS. Então, como a doméstica vai fazer isso? A regulamentação, na prática, é dar um jeito para que o direito que a pessoa tem comece a funcionar”, resumiu o advogado trabalhista Marcos Alencar.

O próprio registro de ponto é uma incógnita, mesmo valendo as 8 horas de trabalho diárias e a hora extra.

Uma técnica de fiscalização do MTE informou ao JC que todos os itens que não precisam de regulamentação passam a valer imediatamente. Segundo ela, tudo será publicado em forma de cartilha no site da instituição.

Oficialmente, o Ministério informa que não pode se pronunciar sobre o assunto porque “a equipe técnica aguarda as diretrizes do novo ministro” para saber como se dará a mudança.

Hoje, há 6,6 milhões de trabalhadores domésticos e diaristas no Brasil e 93% deles são mulheres. Diaristas que trabalham apenas dois dias por semana não serão protegidas pela PEC.

Alexandre Rocha
Alexandre Rocha
Diretor Executivo da Agência Lar Feliz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *